A importância do controle de placa dental na clínica – complementar

SineBahia divulga lista de emprego para Salvador e interior da Bahia na segunda-feira | Bahia
julho 22, 2019
Jornalista José Roberto Burnier descobre câncer na língua
julho 22, 2019

Dentista em Santos



Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
22
A importância do controle de placa dental na clínica
odontológica
Theimportanceofdentalplaquecontrolinthedentalclinic
VivianeElisângelaGomes1
,DéboraDiasdaSilva2
1
Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais
(UFMG), Belo Horizonte, MG, Brazil
2
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Contato: diasdeb@yahoo.com.br / vivigomes_br@yahoo.com.br
RESUMO
Incentivar o autocuidado através de um efetivo controle de placa dental deveria ser uma das principais
medidas de promoção de saúde bucal na clínica odontológica. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar o
IHOS (Índice de Higiene Oral Simplificado) em dois momentos, inicial e final, além das necessidades de
tratamento dos usuários da Clínica Odontológica da Universidade Paranaense – UNIPAR. Foram incluídos
96 prontuários de pacientes atendidos na disciplina de Odontologia Preventiva, Sanitária e Ergonomia II entre
2004 e 2006. Os dados foram descritivos. Houve uma redução de 33% na quantidade de placa. Comparando
os dados de IHOS inicial e final, verificou-se uma diminuição no percentual de pacientes com valores
classificados como “fraco” (de 28% para 15%) e houve um aumento no percentual entre os valores de IHOS
considerados “bom” (de 5% para 16%).Amaioria dos pacientes necessitava de fluorterapia (24%) e raspagem
de cálculo supra gengival (23%). A filosofia adotada pela disciplina mostrou-se promissora com relação à
diminuição da quantidade de placa dos usuários.
Descritores: Placa dentária. Índice de higiene oral. Autocuidado. Cárie dentária. Saúde pública.
INTRODUÇÃO
A placa dental formada sobre os dentes, as
trocas iônicas entre as estruturas dentais e o meio
bucal, e as flutuações de pH determinam os episódios
de desmineralização e remineralização, fazendo com
que a cárie seja considerada um processo natural e
onipresente1
. Diante deste contexto tem sido aceito
o conceito de que a cárie dentária é uma doença
que não pode ser prevenida e sim controlada.
Considerando ainda que os principais fatores
envolvidos na instalação e evolução da cárie são a
presença de hospedeiro susceptível (dentes), placa
bacteriana cariogênica e consumo freqüente de
sacarose, uma das estratégias para o controle desta
doença na prática clínica é o encorajamento do
paciente para o autocuidado2
.
O autocuidado é definido como um conjunto
de ações e decisões tomadas pelo indivíduo com a
finalidade de prevenir/controlar, diagnosticar e tratar
quaisquer desvios de sua própria saúde2
, isto é, faz
com que o paciente exerça seu papel na promoção
de sua própria saúde, como por exemplo, a realização
do controle diário de placa, ou seja, a desorganização
da placa por meio do uso de fio dental e da
escovação. É importante ressaltar que a escovação
dental regular com dentifrício fluoretado é um dos
métodos mais eficientes no controle da cárie, uma
vez que une a desorganização da placa ao efeito
tópico do flúor, que ajuda repor pequenas perdas
minerais da estrutura dental3
.
A placa bacteriana é considerada fator
essencial para a ocorrência da cárie, mas nem
sempre a sua presença irá resultar no
desenvolvimento e progressão de lesões cariosas,
considerando o caráter multifatorial desta doença4
.
Entretanto, para que o indivíduo realize um efetivo
controle de placa é imprescindível que nichos de
retenção (cavidades abertas, restaurações
deficientes, presença de cálculo, dentre outros) sejam
removidos pelo profissional. Em acréscimo, para que
a doença seja controlada é necessário que o paciente
esteja envolvido e estimulado, mantendo um índice
de placa compatível com saúde5
.
O acúmulo de placa pode ser medido por
meio de índices, dentre eles o Índice de Higiene Oral
Simplificado (IHOS)6
, que também pode ser usado
como ferramenta para o profissional avaliar a
motivação, o envolvimento e autocuidado do paciente
ao longo do tratamento.
Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar o
IHOS em dois momentos, inicial e final, além das
necessidades de tratamento dos usuários da Clínica
Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
23
Odontológica da Universidade Paranaense –
UNIPAR.
MATERIAIS E MÉTODOS
O presente estudo foi realizado com dados
secundários, a partir de informações registradas em
fichas clínicas dos pacientes atendidos pela disciplina
de Odontologia Preventiva, Sanitária e Ergonomia
II (OPSE-II) do curso de Odontologia da UNIPAR
campus Cascavel-PR. Os registros nas fichas
clínicas foram feitos pelos alunos do 3º ano que
cursaram a disciplina durante o período de 2004 a
2006. Os dados foram compilados em 2007, após
aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
mesma universidade (Protocolo 11729/2007).
Na clínica da disciplina de OPSE-II os
acadêmicos eram capacitados e orientados a praticar
a promoção da saúde bucal por meio de
procedimentos baseados em evidência científica de
acordo com a filosofia da odontologia minimamente
invasiva e cariologia8
, envolvendo diagnóstico
precoce, controle da doença e manutenção da saúde
através do autocuidado.
Os pacientes passaram por um processo de
adequação do meio bucal9,10
(Figuras 1 a 3),
englobando a motivação e educação individualizadas
(Figura 4), a fim de que não ocorressem recidivas
das doenças e para que os mesmos pudessem ser
encaminhados para as clínicas das disciplinas
especializadas para a resolução de problemas bucais
de maior complexidade
Figura 1 – Adequação do meio bucal, restaurações
com cimento de ionômero de vidro (CIV) modificado
por resina
Figura 2 – Adequação do meio bucal, selante com
CIV convencional
Figura 3 – Adequação do meio bucal, selamento da
cavidade com CIV convencional (dígito-pressão)
Figura 4 – Orientações para o autocuidado,
motivação e educação individualizadas
Seleção da amostra
Foram avaliados 207 prontuários e
considerados fatores de inclusão no estudo: 1)
apresentar no mínimo duas avaliações do índice
de placa e 2) tratamento concluído.
Variáveis estudadas
Índice de Higiene Oral Simplificado
(IHOS)
Este índice é dividido em índice de placa e
índice de cálculo, que somados resultam no IHOS.
Entretanto, neste trabalho foi usado apenas o índice
de placa que foi avaliado com evidenciação prévia
da placa (Figura 5). O IHOS é considerado
simplificado porque avalia apenas as superfícies
vestibular (dentes 16, 11, 26 e 31) e lingual (dentes
36 e 46), que representam todos os segmentos
posterior e anterior da cavidade bucal (Figura 6).
O cálculo do índice é feito com base em critérios
quantitativos, que variam de 0 a 3 (Figura 7) em
que a soma da quantidade de placa por superfície
de dentes é dividida pelo número de superfícies
examinadas6,7
.
Os critérios qualitativos podem ser
classificados em: bom (0,0 – 0,6), regular (0,7 –
1,8) e fraco (1,9 – 3,0)11
.
Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
24
Figura 5 – Evidenciação de placa
Figura 6 – Índice de Higiene Oral Simplificado
(IHOS), dentes índices
Fonte: http://www.whocollab.od.mah.se/expl/ohisgv64.html7
Figura 7 – IHOS, critérios quantitativos
Fonte: http://www.whocollab.od.mah.se/expl/ohisgv64.html7
Necessidades de tratamento
Nesta clínica são realizados procedimentos
de baixa complexidade, visando a remoção de nichos
Figura 8 – Nichos de retenção de placa bacteriana
Figura 9 – Remoção de nichos de retenção de placa,
restauração das cavidades com CIV convencional
Análise dos dados
A análise dos dados foi realizada de forma
descritiva.
RESULTADOS
A amostra final foi constituída de 96
prontuários, onde a perda amostral foi de 53,6%.
As médias do índice de placa – IHOS
inicial e final podem ser visualizadas no Gráfico
1. Houve uma redução de 33% na quantidade de
placa. Aavaliação qualitativa deste índice, nos dois
momentos, foi considerada como regular.
de retenção de placa (Figuras 8 e 9), sendo as
necessidades de tratamento definidas de acordo com
o diagnóstico encontrado e estão descritas no Quadro
1. Nos casos onde a adequação envolvia
procedimentos de maior complexidade era feita a
referência para a especialidade competente, seguida
da contra-referência.
Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
25
Quadro 1 – Diagnóstico e respectivas
necessidades de tratamento – Cascavel, 2004-2006
Lesão de cárie ativa sem
cavidade
Lesão de cárie ativa com
cavidade
Lesão de cárie inativa sem
Remineralização com flúor
ou selante ionomérico
Tratamento restaurador
com ionômero de vidro
Acompanhamento clínico e
radiográfico
Tratamento restaurador
com ionômero de vidro,
amálgama e/ou resina
composta
Recontorno e repolimento
e/ou Reparo/selamento
Raspagem e polimento
corono-radicular
DIAGNÓSTICO NECESSIDADEDE
TRATAMENTO
Lesão de cárie inativa
com cavidade
Cálculo Supragengival
Dente com restauração
deficiente (excesso, fratura,
Gráfico 1 – IHOS inicial e final em usuários da clínica
de OPSE-II. Cascavel, 2004-2006
Comparando a avaliação qualitativa do
índice IHOS inicial e final, verificou-se um
aumento positivo para aqueles que estavam
inseridos na classificação “bom” (de 5% para
16%). Quanto à classificação “fraco”, houve uma
melhora, pois o percentual foi reduzido de 28%
para 15% (Gráfico 2)
Gráfico 2 – Classificação qualitativa do IHOS inicial
e final (percentual), em usuários clínica de OPSE-
II. Cascavel, 2004-2006
No Gráfico 3 estão identificadas as
necessidades de tratamento referentes aos 96
protocolos avaliados.Anecessidade mais prevalente
foi a fluorterapia, seguida de raspagem supra
gengival.
Gráfico 3 – Necessidades de tratamento em usuários
da clínica de OPSE-II. Cascavel, 2004-2006
DISCUSSÃO
A importância deste estudo está relacionada
à avaliação e incentivo do autocuidado, com ênfase
no controle da doença, que está embasado no
paradigma da promoção da saúde e não em
atividades curativas isoladas.
Outro fator importante, é que os dados
registrados na ficha clínica possam ter a sua utilidade
na aplicação prática pelos profissionais e não sejam
considerados apenas dados burocráticos. Além do
mais, por meio dos dados coletados nesta ficha, existe
a possibilidade de avaliar a evolução do paciente
diante das intervenções do profissional9
.
Como limitação deste estudo, pode ser citada
a alta perda amostral (53,6%) porque a seleção dos
prontuários dependia dos critérios de inclusão, que
deveriam ter ao menos duas medidas do índice de
placa e o tratamento concluído, o que pôde ainda
estar relacionada à desistência do tratamento e/ou
falta de interesse do usuário na promoção de saúde.
Os dados serão comparados com ressalvas,
pois pelo nosso conhecimento não existem relatos
na literatura nacional referentes ao tipo de estudo
que está sendo descrito neste momento.
Com relação à quantidade de placa houve
uma redução numérica de 33% considerando as
médias do IHOS inicial e final (Gráfico 1), porém
quando avaliados qualitativamente, estes valores são
classificados como “regular”.
Dados relatados em uma população de
adolescentes demonstram que em relação aos
critérios de classificação, o resultado foi homogêneo,
onde a maioria referiu-se à classificação regular12
,
não diferindo do presente estudo, cabe ressaltar que
a população estudada e a metodologia diferem do
presente estudo.
Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
26
Ainda com a mesma cautela relatada
anteriormente, um estudo realizado com crianças
cárie ativas13
, divididas em 2 grupos, relata que os
resultados quantitativos quanto ao IHOS inicial
variaram entre 2,4 e 2,0 e o final entre 1,86 e 2,0
considerados mais altos do que os encontrados no
presente estudo (1,36 e 0,91).
Quando se compara a avaliação qualitativa
do IHOS inicial e final (Gráfico 2), apesar da maioria
dos pacientes ter apresentado uma quantidade de
placa “regular”, verificou-se numericamente um
aumento positivo para aqueles que estavam inseridos
na classificação “bom”. Quanto à classificação
“fraco” também houve uma melhora, pois o
percentual foi reduzido. Considerando que um dos
objetivos do IHOS é avaliar a placa quantitativa e
qualitativamente por meio da escovação, os
resultados encontrados são encorajadores, uma vez
que os pacientes se sentiram estimulados e a resposta
foi a redução no índice de placa observada por meio
de uma melhora relevante na escovação.
Como citado na literatura, deve-se levar em
conta a relevância dos padrões de autocuidado na
prevenção e controle das doenças bucais, com
investimentos que visem à melhoria de atenção à
saúde bucal dos indivíduos, dentre estes padrões pode
ser citado o caso deste estudo14
.
Em contrapartida, existem algumas
limitações inerentes a este tipo de estudo, pois o fator
tempo está diretamente relacionado à mudança de
comportamento/hábito. Tendo em vista que as
atividades clínicas da disciplina de OPSE-II foram
desenvolvidas em um semestre letivo, talvez este
período seja insuficiente para se verificar mudanças
consistentes no índice de placa.
Mesmo diante das limitações acima citadas,
ressalta-se aqui a importância de se registrar o índice
de placa inicial e final – pré e pós tratamento, pois
estes têm a finalidade de informar ao profissional
sobre a necessidade individual do paciente em
melhorar o seu controle de placa e também serve
como parâmetro de avaliação da melhora de sua
performance9
, além disto, quando o índice é
associado à evidenciação da placa, pode atuar como
fator motivacional para o paciente na remoção da
placa.
As necessidades de tratamento mais
prevalentes foram a fluorterapia (24%) seguida da
raspagem supra gengival (23%). Considerando que
a placa bacteriana é o fator etiológico da cárie
dentária e doença periodontal, a presença de lesões
iniciais de cárie e sangramento gengival e/ou cálculo
supra gengival são comuns naqueles que apresentam
um controle deficiente de placa. Desta forma,
justifica-se as necessidades de tratamento
encontradas neste estudo que estão inseridas no
contexto da adequação do meio bucal, consistindo
dentre outros fatores, na remoção de nichos de
retenção de placa (cálculo supra gengival) e
fluorterapia (lesões ativas de cárie)10
.
Quanto ao tratamento com flúor
(fluorterapia), vale a pena reforçar a importância do
uso de produtos com alta concentração de íon flúor
(F2
) como gel acidulado ou verniz fluoretado, pois
estudos in vitro, in situ e in vivo demonstram que a
utilização destes produtos resultam na redução do
processo de desmineralização do esmalte dental. De
fato, um estudo de revisão sistemática demonstrou
que o uso de flúor profissional tem eficiência anti-
cárie15
.
A adequação do meio bucal consiste em
procedimentos clínicos embasados em critérios
científicos que visam o restabelecimento da saúde
bucal9,10
, sendo assim, deve ser considerada pré-
requisito de qualquer tratamento odontológico
independente do grau de complexidade5
.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os resultados mostraram-se promissores
com relação à redução do índice de placa nos
indivíduos estudados. Considerando as limitações
descritas, mais estudos devem ser desenvolvidos
relacionando a cárie como uma doença multifatorial
que envolve o controle e monitoramento de diversos
fatores de risco ao longo do tempo.
ABSTRACT
Motivating self care through an effective
dental plaque control should be one of the main
measures of oral health prevention in dental clinics.
Thus, the aim of this study was to evaluate OHI-S
(Simplified Oral Hygiene Index) in two different
stages, initial and final, in addition to the treatment
needs of the people who attended the Dental Clinics
of the University of Paraná (Unipar). The files of 96
patients attended to between 2004 and 2006 within
the academic subjects of Preventive and Sanitary
Dentistry and Ergonomics II were included. The
findings indicated a 33% reduction in the amount of
dental plaque. Comparing the data of the initial and
final OHI-S, a reduction in the percentage of patients
with results that were considered “weak” (from 28%
to 15%) could be observed, as compared an increase
in the percentage of the OHI-S results that were
considered “good” (from 5% to 16%). Most patients
needed fluoride therapy (24%) and supragingival
calculus scaling (23%). The philosophy used in the
classes related to the reduction in the quantity of
plaque on the part of the patients proved to be
promising.
Arquivos em Odontologia Volume 46 Nº 01
Janeiro/Março de 2010
27
Uniterms: Dental plaque. Oral hygiene index. Self
care. Dental caries. Public health.
REFERÊNCIAS
1. Fejerskov O. Concepts of dental caries and their
consequences for understanding the disease.
Community Dent Oral Epidemiol. 1997; 25:5-12.
2. Buischi YP,Axelsson P, Siqueira TRF. Controle
mecânico do biofilme dental e a prática da
promoção de saúde bucal. In: Buischi YP.
Promoção de Saúde Bucal na Clínica
Odontológica. São Paulo: Artes Médicas: EAP
– APCD, 2000. p.169-214.
3. Cury JA. Dentifrícios: como escolher e como
indicar. In: Cardoso RJC, Gonçalves EAN.
Odontologia: odontopediatria/prevenção. São
Paulo: Artes Médicas, 2002. p.281-95.
4. Baelun V, Fejerskov O. Diagnóstico da cárie
dentária: um momento de reflexão a caminho
da intervenção? In: Fejerskov O, Kidd E. Cárie
dentária: a doença e seu tratamento clínico. São
Paulo: Santos, 2005. p.101-10.
5. Serra MC, Pimenta LAF, Paulillo LAMS.
Dentística e manutenção da saúde bucal. In:
Kriger L. ABOPREV: Promoção de saúde
bucal. 3ªed. São Paulo: Artes Médicas, 2003,
p.213-64.
6. Greene JC, Vermillion JR. The simplified oral
hygiene index. J Am Dent Assoc. 1964; 68:7-
13.
7. World Health Organization. Oral Hygiene
Indices. OHI-S (Simplified) – Greene and
Vermillion, 1964. Disponível em: http://
www.whocollab.od.mah.se/expl/ohisgv64.html.
Acesso em 10 de agos. 2009.
8. Ericson D, Kidd E, McComb D, Mjör I, Noack
MJ. Minimally invasive dentistry: concepts and
techniques in cariology. Oral Health Prev Dent.
2003; 1:59-72.
9. Silveira JL, Oliveira V, Padilha WW. Evaluation
of the reduction of the visible plaque index and
of the gum bleeding index in a program of oral
health promotion for children [Article in
portuguese]. Pesqui Odontol Bras. 2002;
16:169-74.
10. Navarro MFL, Côrtes DF. Avaliação e
tratamento do paciente com relação do risco
de cárie. Maxi-Odonto Dentística. 1995; 1:21-
35.
11. Spolsky VW, Epidemiologia das doenças
gengival e periodontal. In: Carranza FA,
Newman, MG. Periodontia clínica. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 1997. p.65-84.
12. Silva DD, Gonçalo CS, Sousa MLR;Wada RS.
Aggregation of plaque disclosing agent in a
dentifrice.JApplOralSci.[online].2004;12:154-
8.
13. Angelo AR, Silva YTS, Castro RD, Almeida
RVD, Padilha WWN. Atuação clínica e
microbiológica da solução de própolis para
bochecho em crianças cárie ativas.Arq Odontol.
2007; 43:60-6.
14. Tomita NE, Pernambuco RA, Lauris JRP,
Lopes, ES. Educação em saúde bucal para
adolescentes: uso de métodos participativos.
Rev Fac Odontol Bauru. 2001; 9:63-9.
15. Marinho VCC, Higgins JPT, Logan S, Sheiham
A. Fluoride gels for preventing dental caries in
children and adolescents. Cochrane Database
Syst Ver. 2002. CD002280.
Recebido em 05/07/2009 -Aceito em 11/09/2009
Autor correspondente:
Débora Dias da Silva
Rua 04, n. 3043 – Vila Operária
CEP: 13504-092 – Rio Claro – SP
e-mail: diasdeb@yahoo.com.br

Fonte: https://docero.com.br/doc/n0n5vce


Agende agora sua avaliação!

A Dentari Odonto Clínicas possui clinica odontologica em Santos e São Vicente e foi criada para elevar o seu conceito de qualidade e tecnologia em todas as áreas da odontologia, com destaque para implante dentário realizado em 28 dias, excelente para você que estava procurando por implante dentario em Santos ou São Vicente.

Assim como toda empresa que trilha vários caminhos para se tornar um bom negócio, temos uma boa história. Com fácil localização, conseguimos atender de maneira personalizada você que procura por dentista em Santos ou até mesmo por dentista em São Vicente. Nossa unidade de Santos, está localizada no Gonzaga e nossa clínica de São Vicente, no centro da cidade.

Antes de se tornar Dentari, a história se inicia a partir de um sonho. O sonho de mudar a vida das pessoas. O desejo de mudança, de realizações, nunca começa sozinho. Com o pensamento mútuo de conquistar o sucesso, energia, técnica, método, atendimento e tecnologia.

Nasceu então a Dentari, uma clínica odontológica de alta performance, com renomados dentistas, que alia a melhor tecnologia disponível no mercado mundial aos melhores profissionais multiespecialistas.

Com procedimentos clínicos dinâmicos, a Dentari otimiza o tempo do paciente, trazendo a solução desejada de maneira fácil e rápida. O paciente recebe o melhor atendimento com todo o conforto que a clínica oferece.

O principal resultado é a satisfação dos clientes ilustrada em sorriso.



Saiba mais:


Dentista em Santos | Dentista em São Vicente | Dentista Aparelho | Implante Dentário em Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *